Empreendedorismo de valores humanos

Foi em pleno coração da capital portuguesa que a Valor Magazine foi recebida na sede da SDO Consulting, uma empresa de consultoria de gestão especializada na transformação de capital humano. Tivemos a oportunidade de entrevistar Paula Oliveira, atual Senior Partner com mais de 25 anos de carreira, identificada como uma das Mulheres de Valor da edição deste mês.

0
86
Paula Oliveira, Senior Partner na SDO Consulting

Desde cedo assumidamente “apaixonada pelos temas com impacto nas pessoas”, Paula Oliveira dedica-se a projetos de responsabilidade social a par do seu percurso profissional no mundo dos negócios, sendo fundadora da Ucall, da Fábrica Digital e do Grupo OonDah, onde mantém um foco consciente no que faz mover as pessoas e os negócios. Essa visão desdobrou-se em várias áreas do mercado interno e externo, sendo a SDO Consulting o mais recente projeto para marcar essa diferença:
«Fazer brainstorming, garantir uma pesquisa alargada e a utilização de informação disponível de forma inteligente e analítica, permite-nos compreender ao máximo a essência das empresas com quem trabalhamos e dos clientes que servimos”, explica.

“O deep dive que efetuamos em cada projeto permite-nos obter mais informação para investir nas soluções para o cliente. Nesta construção apostamos na diversidade cognitiva da equipa, na liberdade de co-criar e na forma como integramos a cultura de transparência, e a naturalidade como aceitamos o erro enquanto parte do processo».

Admitindo que as empresas cada vez mais “competem num mundo global”, Paula Oliveira acredita que quem se destaca nesse mercado é quem aposta num posicionamento único e diferenciador.

“TEMOS DE TER SEGURANÇA NAS NOSSAS COMPETÊNCIAS”

A sociedade revela que ainda sobram algumas batalhas por travar no que respeita à igualdade de género e Paula Oliveira explica como a competência pode sobrepor-se a um eventual preconceito: “O facto de ser confrontada tantas vezes com a realidade de ser mulher num cargo de topo faz-me refletir sobre isso. A verdade é que nunca senti o separatismo ao longo da minha carreira. Há frequentemente alguns preconceitos iniciais, por diferentes razões, mas quando temos segurança no que estamos a fazer e nas nossas competências, conseguimos fazer com que a questão do género desapareça”.

Com a perceção de que em Portugal ainda “existe um tradicionalismo cultural mais presente do que em outros países modernos”, Paula Oliveira explica que a batalha das mulheres passa por mostrar continuamente que são “tão disponíveis, tão focadas e tão comprometidas como qualquer homem na mesma função”, mesmo que isso signifique que não haja sempre justiça nas decisões ou no caminho para o sucesso.

A Senior Partner remata com um conselho destinado a qualquer jovem mulher, transmitindo que o importante é ter confiança em si mesma, principalmente nas primeiras etapas profissionais: “Infelizmente há muitos recursos humanos de qualidade que não se destacam porque não dão um passo em frente e arriscam. Neste mundo moderno, precisamos de dar esse passo em frente para que efetivamente reparem em nós e nas nossas qualidades. E felizmente temos cada vez mais mulheres a demonstrar isso mesmo”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here