Team Vasconcelos: uma das equipas imobiliárias mais produtivas em Portugal

Sérgio Vasconcelos era empresário,no Porto,de onde é natural quando,em 2013, decidiu mudar a sua vida. Em plena crise económica, mudou-se com a família para Cascais, deixou para trás a empresa de consultoria em telecomunicações de que era proprietário e arriscou recomeçar. Fora da sua zona de conforto, o agora consultor imobiliário e líder da equipa – Team Vasconcelos, da Zome, descobriu nesta área uma atividade apaixonante que o entusiasma.

0
1011
Sérgio Vasconcelos, consultor imobiliário e líder de equipa

Sérgio Vasconcelos chegou a Cascais, há sete anos. Trouxe a família e alguns planos, que esperava concretizar. Tudo o resto ficou no Porto, cidade onde nasceu, cresceu, desenvolveu a sua atividade profissional e criou família, até 2013: “Decidi sair da minha zona de conforto e, uma vez que a minha esposa é natural de Cascais, mudámo-nos para cá. Não pretendia encontrar um trabalho em Lisboa. O ideal era conseguir trabalhar e viver em Cascais. Foi assim que me interessei por um anúncio, que falava na venda de imóveis da Banca, e comecei a trabalhar com a PRIME”.

Nessa época, a PRIME trabalhava com a Remax. Sérgio Vasconcelos identificou-se imediatamente com os valores do Grupo PRIME. Pouco tempo depois, a PRIME trocou a parceria para a KW, marca americana que estava a entrar no país: “Mantive a minha ligação à PRIME e comecei a ir, anualmente, aos Estados Unidos, para se perceber exatamente como se trabalha o setor imobiliário naquele país, uma vez que os americanos são reconhecidamente os melhores do mundo nesta área. Durante quatro anos, de 2015 a 2019, fiz muitas viagens, e acabei por ser considerado em 2018, pela KW em Los Angeles, como embaixador internacional de cultura da marca. Foi um dos pontos altos da minha carreira”.

As múltiplas viagens na Europa e nos Estados Unidos permitiram-me conhecer as melhores práticas, participar nos maiores eventos mundiais, efetuar networking internacional e conhecer espaços imobiliários de Londres a Paris, ou de Nova Iorque a Beverly Hills”. Recentemente, associei-me também à NAR – National Association of Realtors dos Estados Unidos – a maior associação mundial de consultores imobiliários, de forma a manter esse importante networking e estar a par de todas as tendências e inovações no setor”.

Foi quando a PRIME decidiu começar a trabalhar a sua própria marca – a Zome – que Sérgio Vasconcelos voltou a repensar a sua vida: a Zome é, nas palavras de Sérgio Vasconcelos, um “projeto inovador, tecnológico e pensado para as pessoas”. Atualmente, esta é a maior multinacional imobiliária portuguesa e foi distinguida em 2019, pela revista Exame, como a melhor imobiliária para trabalhar em Portugal.

Quando questionado sobre as mais-valias desta marca, Sérgio Vasconcelos é perentório: “Primeiro, é um projeto muito tecnológico. O master da Zome não tem o lucro como objetivo, pelo que investe tudo no desenvolvimento da sua própria tecnologia, para que não dependa de terceiros para a sua evolução. Esta tecnologia é desenvolvida em Braga, no departamento Tecnológico. Em jeito de exemplo, consigo fazer um estudo de mercado em segundos, consigo enviar um relatório semanal das atividades para um cliente de uma forma automática através da nossa plataforma, e um cliente, em qualquer parte do mundo, consegue comprar uma casa através do nosso site – mais nenhuma imobiliária o permite. Isso é importante, porque permite que o cliente reserve o imóvel sem depender do consultor mas, em paralelo, o consultor não deixa de ganhar a sua comissão, tendo em conta que o processo acaba por passar por ele, posteriormente”. Esta possibilidade surgiu através da plataforma Zome Now, criada recentemente, bem como a Zome Meet, que permite realizar videoconferências entre consultores e clientes: “Este desenvolvimento tem também por detrás grandes parceiros, como a IBM, a Amazon e a Microsoft. Além disso, a Zome valoriza as opiniões dos seus líderes de equipa e hub directors e conta com a nossa experiência para ir sempre melhorando a utilização destas tecnologias”.

Para lá da intensa utilização da tecnologia, os consultores da Zome contam ainda com a Neurociência no desenvolvimento de conteúdos do seu programa de formação para estudar os comportamentos dos clientes. Os clientes são, por isso, o centro das atenções dos consultores. No que toca a Sérgio Vasconcelos e à sua equipa, o cliente tem à sua disposição consultores especializados, de acordo com os objetivos a atingir: “Comecei a trabalhar como consultor individual, mas depois percebi que seria fundamental encontrar alguém que me ajudasse com as questões administrativas e contratei uma assistente. Comecei a conseguir angariar mais imóveis, pois tinha mais tempo para o fazer, e isso fez-me contratar mais pessoas, para trabalhar quer as angariações, quer as vendas. Atualmente lidero uma equipa de nove elementos, dois deles especializados em angariações de imóveis, cinco especializados em clientes compradores nacionais e internacionais e duas pessoas para o setor administrativo, além de dois elementos externos que se ocupam do Marketing e Design. Na nossa equipa os consultores estão divididos por áreas e cada um é especialista em determinadas tarefas, o que garante um maior acompanhamento ao cliente, uma menor probabilidade de erro, uma maior disponibilidade para as necessidades específicas dos clientes e uma maior rapidez de resposta, em todas as fases”.

“Por exemplo, um especialista em clientes compradores da nossa equipa dedica-se exclusivamente a acompanhar um cliente comprador, na pesquisa e selecção de imóveis, agendamento e realização de visitas, e apoio na respetiva transação”.

Sérgio Vasconcelos destaca a importância da formação e da preparação técnica dos consultores imobiliários da Zome e da Team Vasconcelos em particular, como justificação para um maior índice de produtividade per capita por consultor, face às outras grandes marcas presentes no mercado português. Os consultores da ZOME não pararam de trabalhar, durante o confinamento: “Recebemos mesmo muito trabalho, aquando do confinamento. Muitas das imobiliárias fecharam – algumas definitivamente – e muito trabalho acabou por vir ter connosco. Felizmente, tivemos capacidade de resposta para conseguir lidar com ele, porque estávamos preparados. Mais uma vez, a Zome antecipou-se e logo no início do confinamento estabelecemos um gabinete de crise, que estudou as soluções necessárias para continuar a falar com os clientes, a colocar casas no mercado e a fechar negócios, tudo em segurança”.

Com os preços ajustados à realidade do mercado nacional, Sérgio Vasconcelos reconhece que não sentiu um impacto negativo nas transações efetuadas nos últimos meses, apesar de sentir alterações no setor: “Estamos num ponto de viragem e de maturidade do mercado, onde os compradores são mais exigentes e os proprietários dos imóveis têm de estar muito atentos quando se decidem pelo consultor e pela imobiliária A ou B, e questionar o que estes vão fazer pelo seu imóvel. Na nossa equipa, tudo acontece com grande dinamismo porque trabalhamos com grande responsabilidade, um fortíssimo e exclusivo investimento em marketing e asseguramos a partilha dos imóveis com todo o mercado imobiliário nacional e internacional”.

www.zome.pt

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here