“Temos de nos adaptar ao novo normal”

A Clínica Navegantes nasce em 2011, inspirada pela necessidade de criar uma resposta integrada para todas as fases do ciclo de vida. Acreditando na importância da aliança entre a Saúde e a Educação, desenvolve muito trabalho junto das instituições educativas, como explica Sónia Serrão, psicóloga clínica e coordenadora.

0
339
Sónia Serrão, psicóloga e coordenadora

Em que áreas incide o vosso trabalho?

Acreditamos que a aliança Saúde e Educação é indispensável, por isso um dos nossos terrenos de intervenção é junto das instituições educativas, no apoio a crianças, jovens, famílias e toda a comunidade educativa. Guiados pelo poder dos gestos coletivos, a nossa atuação pauta-se por um trabalho de parceria e proximidade, em rede e articulação com profissionais do exterior e instituições da comunidade. Outra grande área do nosso trabalho incide na sensibilização, informação e formação e, neste sentido, desenvolvemos nas instituições nossas parceiras tertúlias a ações de prevenção relacionadas com o Desenvolvimento Infantil e Juvenil, para toda a comunidade educativa.

Que problemas mais afetam as crianças e jovens?

Os problemas mais identificados inscrevem-se no quadro das Perturbações de Ansiedade e Depressivas, nomeadamente fobias, ansiedade social, ansiedade de desempenho relacionada com a escola, pânico, perturbações relacionadas com a alimentação e sono, com o comportamento e controlo de impulsos. Identificamos igualmente muitos casos de perturbações do neurodesenvolvimento, particularmente espectro do autismo, hiperatividade e défice de atenção. Observamos um aumento de casos em jovens de perturbações aditivas de substâncias, assim como adição a jogos e internet. Nas nossas recentes reuniões de equipa partilhamos casos relacionados com o medo do regresso à escola, do vírus, do futuro, de perceção de solidão e isolamento, bem como de perda de liberdade.

Como é possível aliviar o stress causado pelo regresso às aulas?

Todos temos de nos adaptar a um “novo normal”. Uma das coisas fundamentais neste regresso a uma escola diferente é conhecer as mudanças, novas regras, fazer perguntas à escola, esclarecer dúvidas. O conhecimento antecipado das mudanças alivia o stress e ansiedade nos pais e alunos. “Aceitar” e “Confiar” são palavras muito importantes – aceitar emoções contraditórias causadas pela nova realidade e confiar nas escolas.

Quais os sintomas a que os pais devem prestar atenção e que são indicativos de algum tipo de stress ou ansiedade?

Alguns dos sinais mais frequentes de problemas de ansiedade podem ser pensamentos “E se…? Será que…?”, previsões e pensamentos negativos e uma espécie de excesso de futuro, a procura frequente de tranquilização, o evitamento de certas situações ou atividades, sintomas somáticos como dores de barriga, cefaleias, alterações do sono, concretamente insónia inicial e pesadelos. As dificuldades de atenção e concentração, preocupações excessivas e difíceis de controlar, recusa escolar, inquietação. De referir que, nas crianças mais pequenas, a expressão da ansiedade é sobretudo física, traduzida por exemplo em maior irritabilidade, comportamentos de oposição, alterações do sono e alimentação.

Que serviços não presenciais disponibilizam?

Atualmente dispomos de intervenção e consultas à distância no acompanhamento psicológico, consulta da Ansiedade, Terapia da Fala, Pedopsiquiatria, Neuropediatria, Aconselhamento Parental. Fazem ainda parte das nossas respostas e serviços não presenciais a teleconsulta ou o atendimento telefónico em urgências para algumas áreas.

Ainda com a pandemia, que desafios surgirão com o regresso à normalidade?

É fundamental falar com as crianças e jovens, com os pais, com as famílias, com as pessoas, saber o que os preocupa, os seus pensamentos, o que evitam, o que sentem. É muito natural que as Perturbações da Ansiedade aumentem significativamente, assim como a Depressão e os consumos e temos de os identificar o mais precocemente, para intervir. A grande prioridade neste momento é responder às necessidades crescentes no contexto da saúde mental.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here