Evolução do setor segurador: “Existem áreas com falta de soluções de seguros”

Vítor Reis é o diretor da Triunf Seguros, uma agência mediadora de seguros que fez, recentemente, uma atualização da sua imagem corporativa, para simplificar o acesso ao seu website e à proximidade digital com os clientes. Vítor Reis reconhece que o digital é essencial para a relação com os clientes, nos dias que correm, e relembra as áreas onde a evolução da oferta seguradora se faz necessária.

0
566

Renovaram recentemente a vossa imagem corporativa, sobretudo no que respeita ao website. Quão importante e estratégica foi esta mudança de imagem?

Quisemos, com a renovação do website, trazer uma mudança importante. Um website atualizado e moderno torna mais fácil aos clientes encontrarem as informações que procuram, fazer transações e interagir connosco. Além disso, um website renovado pode ajudar a fortalecer a nossa imagem e aumentar a confiança dos clientes. A mudança da imagem corporativa também deve ser olhada como uma forma de refletir uma nova estratégia de negócio por parte da Triunf.

Atualmente, a presença digital é crucial para que uma empresa seja conhecida e apresente os seus serviços. A Triunf nota isso mesmo, que existe muita gente que vos procura através do vosso site?

Sim, atualmente a presença digital é crucial para que uma empresa seja conhecida e apresente os seus serviços. A Triunf sabe da importância de manter uma presença digital forte e atraente para os seus clientes e quer aumentar a procura dos seus serviços através do site. A internet é um meio de comunicação muito utilizado atualmente, e é natural que muitos clientes em potencial prefiram pesquisar e contratar seguros online. Por isso este investimento na otimização do nosso site, garantindo que ele seja atraente, informativo e fácil de usar.

A área seguradora está em mudança, não só a nível das próprias seguradoras, como dos mediadores e corretores, que necessitam de chegar ao cliente de uma maneira nova e de lhes apresentar soluções e produtos diferenciados. Como diria que esta transformação está a desenvolver-se? Nota-se, já, algum impacto?

A transformação na área seguradora tem sido impulsionada por vários fatores, como a evolução tecnológica, a mudança das necessidades dos consumidores, a crescente concorrência e a regulamentação cada vez mais rigorosa. A digitalização tem sido um dos principais impulsionadores dessa mudança. Na mediação e corretagem também estamos a adaptar-nos a esta transformação, integrando as tecnologias digitais nos nossos processos de negócio e expandindo os nossos serviços. A área seguradora está a desenvolver-se rapidamente, com muitas
empresas a adotar tecnologias inovadoras e a trabalhar para oferecer serviços mais personalizados e acessíveis aos clientes, tendo nós, mediadores e corretores, acompanhado este rápido desenvolvimento.

Quais as áreas que estão em falta, relativamente a soluções de seguros? Questões ligadas a tecnologias da comunicação e novos meios de mobilidade são já contempladas com seguros próprios?

Existem várias áreas que ainda têm falta de soluções de seguros, mas com o avanço da tecnologia e a evolução das necessidades dos consumidores, é possível que essas áreas sejam preenchidas com soluções inovadoras no futuro. Uma área que ainda tem falta de soluções, ou soluções algo precárias nos seguros, inclui tecnologias emergentes, como blockchain e inteligência artificial, e riscos emergentes, como ciberataques e riscos ambientais. Essas áreas serão desafiadoras para as seguradoras nos próximos tempos.

Que análise faz ao impacto que esta subida generalizada de preços na sociedade teve na procura de seguros? Houve um decréscimo da procura?

A subida generalizada de preços na sociedade poderá ter um impacto significativo na procura de seguros. As pessoas podem ter menos dinheiro disponível para gastar em seguros, o que pode levar a uma diminuição na procura. Além disso, quando os preços aumentam, as pessoas podem considerar que já estão a pagar demais por
serviços e bens essenciais, o que pode levar a uma redução de gastos em produtos considerados “opcionais”, como os seguros. Neste momento, na Triunf, ainda não sentimos quebra na procura e venda de produtos, principalmente produtos mais estratégicos. Encerrámos o primeiro trimestre com um crescimento de 5,90%, o que consideramos interessante.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here