Mobilidade Elétrica Urbana e Sustentabilidade

0
413

Em 2011 foram vendidos, em Portugal, os primeiros automóveis ligeiros de passageiros 100% elétricos. Foi o início de uma nova era.

Em Portugal, a mobilidade elétrica teve um crescimento residual até 2016, uma aceleração entre 2016 e 2019 e uma forte aceleração a partir de 2020 até aos nossos dias, colocando Portugal num lugar de destaque na Europa e no Mundo, no que diz respeito à adoção dos veículos elétricos.

Nas cidades e nas grandes áreas metropolitanas não é suficiente substituir todos os veículos com motores de combustão interna – altamente poluidores -, por veículos 100% elétricos. Temos de ir mais longe.

Esta substituição iria reduzir as emissões de gases com efeito de estufa (GEE) e a poluição sonora – o ruído. No entanto, não resolveria dois importantes problemas com que nos debatemos nas nossas cidades: a ocupação do espaço público de superfície e a mobilidade nestas áreas urbanas. Para tal é urgente reduzir a utilização do
automóvel particular, promover os transportes públicos de passageiros, de preferência elétricos, acelerar a adoção dos meios de mobilidade suave, trotinetes elétricas, bicicletas convencionais e elétricas, bicicletas de carga elétricas, triciclos e quadriciclos elétricos, criando uma rede de ciclovias e de vias partilhadas entre estes veículos suaves e os veículos ligeiros e pesados, de forma a garantir a segurança de todos.

A inversão da Pirâmide da Mobilidade é absolutamente urgente. Deve ser a prioridade de todos os governantes, desde a Administração Central às diversas Administrações Locais. Todos devemos participar nesta tarefa, por mais gigantesca que nos possa parecer, para o bem das atuais e das futuras gerações.

A cidade de Évora é um exemplo para todos os municípios de Portugal. A totalidade da sua frota de transportes coletivos urbanos de passageiros é composta por 23 autocarros elétricos, com duas tipologias de carroçaria. Felicitar a concessionária TREVO pela iniciativa. Évora passará, assim, a ser um exemplo para todos os municípios.

Transportes públicos modernos, muito eficientes, não poluentes, agradáveis de conduzir e muito mais agradáveis de utilizar pelos cidadãos, além de ajudarem a preservar o património arquitetónico de Évora.

Tem sido um dos vetores de atuação da Associação de Utilizadores de Veículos Elétricos – UVE, divulgar a mobilidade elétrica em geral, os veículos elétricos, dando especial atenção aos autocarros elétricos de passageiros e aos veículos ligeiros e pesados de mercadorias, aos carregadores domésticos, às Redes de
Carregamento, promovendo a simplificação da utilização dos carregadores da Rede Pública e particularmente combater a falta de informação de algo que é novo, disruptivo e essencial para a mitigação das graves consequências que as alterações climáticas já hoje provocam nas atividades dos humanos.

Qual o estado de desenvolvimento da Mobilidade Elétrica hoje?

As vendas de veículos elétricos (VE) têm batido sucessivos recordes, mês após mês, ano após ano, e em junho de 2023 foi batido o recorde absoluto de vendas, com um total de 7.316 veículos elétricos novos e importados usados vendidos em Portugal, considerando todas as categorias de veículos elétricos.

Já estão instaladas e a operar as primeiras Estações de Carregamento com múltiplos carregadores – os chamados HUB da mobilidade elétrica -, que permitem o carregamento simultâneo de vários veículos elétricos.

A superioridade do motor elétrico, em termos de eficiência energética, quando comparado com os motores de combustão interna, só por si, já seria uma razão para a adoção de um veículo elétrico. Se lhe adicionarmos os muito reduzidos custos de operação, o preço mais reduzido da eletricidade em relação aos combustíveis fósseis, a não emissão local de gases com efeito de estufa, e no caso de Portugal, o facto de mais de 60% de toda a eletricidade consumida no país ser de origem renovável, a opção por um veículo elétrico não só é vantajosa para o ambiente e para as futuras gerações como é também a opção economicamente mais vantajosa. O nosso bolso
também agradece!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here