“A cibersegurança tem de ser levada a sério”

O Grupo Thales é uma empresa de importância estratégica para Portugal, na medida em que desenvolve o seu trabalho nas áreas da Investigação e Desenvolvimento nos setores dos Transportes, Cibersegurança e Aeroespacial. Em entrevista, o diretor de marketing da empresa, o engenheiro João Salgueiro, destaca os projetos em que a Thales está envolvida e volta a destacar a importância de reforçar a cibersegurança do país.

0
364

Aquando da nossa última entrevista, salientou que as tendências do futuro passariam pela digitalização dos sistemas e serviços, sobretudo no que respeitava às áreas da Cibersegurança e Mobilidade. Quase um ano depois, que evolução aconteceu, efetivamente, nestas duas áreas?

A aquisição da Gemalto pela Thales em 2019 foi um indicador claro de que a Cibersegurança e Identificação Digital seriam peças fundamentais nas actividades da Thales como resposta aos desafios de segurança que a crescente digitalização impunha. Para o Grupo Thales, o conceito Secured by Design tornou-se, no interior da organização, uma das principais linhas ideológicas nas actividades de inovação e concepção de novos produtos, enquanto para o exterior passou a ser um pilar de reforço na já reconhecida imagem de fiabilidade, confiança e desempenho dos seus produtos nos momentos decisivos de qualquer organização, Governo ou mesmo de cada cidadão. A equipa da Thales em Portugal foi um player activo nesta mudança através das suas três equipas de desenvolvimento de produtos. Em termos mais gerais, o Grupo Thales tem em curso uma corrente de digitalização que se faz sentir fortemente ao nível da evolução dos seus sistemas de sinalização, no Comboio Autónomo e na IoT, com um papel muitíssimo forte no desenvolvimento de novos e mais poderosos Centros de Comando Operacional.

A Thales é responsável por muitos dos sistemas de Controlo, Gestão e Segurança dos transportes, seja a nível marítimo, terrestre ou aéreo. Considerando o vosso posicionamento de vanguarda e as parcerias existentes entre a Thales e outras instituições e fornecedores nacionais, como caracteriza o desenvolvimento de soluções ligadas à Mobilidade e Transportes, bem como à própria investigação, que daí resulta?

Relativamente à Mobilidade, a Thales tem importantes parcerias com o IST e a TIS. Em particular, com a TIS, temos uma estratégia de investigação e desenvolvimento de uma plataforma de mobilidade orientada para as preocupações das autarquias, assente em três pilares: Transportes Públicos, Logística e Segurança. O objectivo desta plataforma é a colecta e análise de dados de um ou de todos os pilares acima mencionados, de modo a gerar indicadores de gestão e informação fiável para as decisões operacionais e estratégicas de planeamento e análise de impactos.

A Thales reforçou recentemente a sua parceria com o Instituto Superior Técnico, através do Centro de Inovação, inaugurado há seis anos e através do qual decorre o projeto Smart City Sense. Quais os objetivos que este programa se propõe atingir? Que outros projetos podem acontecer, tendo em conta o reforço desta parceria?

Efectivamente, o Smart City Sense foi um projecto desenvolvido em colaboração com o IST e outras entidades. No entanto, as relações da Thales com o IST são bastante vastas e acabámos de renovar o acordo-quadro entre o Grupo Thales e o IST e um outro acordo mais operacional entre a Thales Portugal e o IST. Quanto ao Smart City Sense, tal como o seu nome indicia, teve como objectivo a demonstração da capacidade de “sentir” a cidade através de informação já disponível e acessível em sistemas já existentes e, com base nessa informação, antecipar, decidir e colocar no terreno os meios e as medidas de prevenção e mitigação de perturbações à normalidade. Os conceitos e os benefícios estão provados, faltam as oportunidades e o interesse para se investir na sua implementação.

Portugal goza de uma posição geográfica privilegiada, no que respeita ao desenvolvimento da área aeroespacial e ao reforço da posição internacional do país por essa via. Em que condições de desenvolvimento se encontra o plano aeroespacial que Portugal tinha delineado, e que contava com a colaboração da Thales e da EDISOFT?

Para o sector aeroespacial e naval, a EDISOFT, empresa maioritariamente detida pelo Grupo Thales, é o champion local do Grupo. Ao nível do sector aeronáutico, a presença no novo sistema ATM da NAV é uma referência importante. Ao nível do sector espacial, a EDISOFT tem hoje uma forte e consolidada presença junto das diferentes agências europeias, ESA, EMSA, EUMETSTAT e ainda com a Telespazio e a Thales Alenia Space e pela presença em mais de 30 satélites em operação do sistema operativo de tempo real, RTEMS, desenvolvido pela EDISOFT. A EDISOFT colabora ainda com a Agência Espacial Portuguesa e está envolvida na construção do microsatélite português, com o apoio da ADI e segue com muita atenção e interesse a evolução do projecto SpacePort.

Considerando todo o PRR apresentado pelo Governo português, e a possibilidade dada pelos fundos europeus de um forte impulso de desenvolvimento ao país, a Thales pode, enquanto empresa de cooperação estratégica, fazer parte desta inovação, evolução e desenvolvimento do país?

Sim. É essa a nossa vontade. A Thales, através da sua equipa de Inovação, está já presente em inúmeros projectos de I&D financiados pelos mecanismos locais e europeus de apoio às actividades de I&D. Ao nível dos produtos comercializáveis, estamos a analisar possíveis apoios para os produtos Thales desenvolvidos em Portugal. Quanto ao PRR, na sua componente de investimento público, estamos atentos aos projectos onde a Thales possua soluções e, quanto às agendas mobilizadoras, manifestámos já a nossa disponibilidade para as iniciativas em preparação para o sector ferroviário.

Que avaliação faz, atualmente, da importância atribuída à segurança interna e externa nacional? O paradigma da sua importância mudou?

Considero que as questões relacionadas com a protecção de dados e Cibersegurança, apesar do que se legislou e do que se fala, continuam a não ser levadas a sério. Portugal continua a ser um país de brandos costumes, a todos os níveis, e a segurança não se vê.

Thales International Photo Reportage

Quais diria serem os “desafios de amanhã”, que já são identificáveis e para os quais a Thales pode posicionar-se para responder?

Salientaria três vectores com várias dimensões nas quais a Thales tem um papel de liderança. O primeiro é IoT. Face à explosão dos equipamentos ligados e à quantidade enorme de informação, colocam-se desafios de securização, protecção e propriedade da informação e por fim, capacidade de extrair valor desta quantidade imensa de informação, que ultrapassa a dimensão humana e onde somente a Inteligência Artificial e as ferramentas de manipulação de Big Data permitem obter a “visão” desejada. Outro vector tem a ver com a identificação digital, a protecção dos dados pessoais e os mecanismos de anonimização dos dados. Neste campo, mais do que um problema técnico, temos um problema político e de mensagem a trabalhar. A tecnologia existe. Por fim terminaria com o vector da Mobilidade. Como primeiro aspecto, temos o Train Autonomy como tendência do transporte publico sobre carris. Impacto ao nível das infraestruturas e da performance das redes. Como segundo aspecto considero o conceito de Connected Journey, pelo impacto na mobilidade e nas redes de transporte urbanas e veículos autónomos. Temos claramente um conjunto de desafios onde o Digital tem um papel central e onde as questões de privacidade e protecção de informação têm que se clarificadas e asseguradas, mais do que enveredar pelo caminho medieval das proibições e do medo obscuro do que não se conhece.

O Autor não escreve de acordo com o Ao98.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here