“É preciso consciencializar a sociedade sobre a importância da audição”

A Amplifon Portugal detém a Minisom, a marca com maior notoriedade no setor da audição no país. O diretor-geral, Pedro Alvarez, em entrevista à Valor Magazine, numa conversa focada nos aspetos da inovação tecnológica, ficou em evidência a necessidade de colocar a saúde auditiva como uma prioridade, junto da comunidade médica e da população.

0
199
Pedro Alvarez, diretor-geral

Enquanto general manager da Amplifon Portugal, como descreveria a filosofia de trabalho da empresa?

A Amplifon Portugal tem uma filosofia focada em pessoas que fazem a diferença na vida de outras pessoas. Esta empresa mistura a potencialidade de uma multinacional com a agilidade de uma startup. Isto significa que temos um foco grande em áreas como engagement,
desenvolvimento, benefícios, responsabilidade social, ao mesmo tempo que crescemos a um ritmo muito acelerado, com grande autonomia local para decisão e um energético espírito empreendedor. Localmente, a nossa cultura tem como base três comportamentos principais: Empowerment, Responsabilidade e Reconhecimento, que guiam aquilo que é esperado
ver em todos os colaboradores, juntamente com a vivência dos cinco Valores da empresa: Paixão pelo Cliente; Impacto Pessoal; Excelência Diária; Pensamento Futuro e Atuar com Responsabilidade.

Ainda parece existir alguma resistência à ideia de pedir ajuda para ouvir melhor. Esta é uma ideia ainda válida atualmente?

Existem alguns sinais que nos alertam para a perda de audição, como a necessidade de aumentar o volume da televisão, não se conseguir manter uma conversa telefónica, pedir frequentemente para repetir uma palavra ou a dificuldade em acompanhar uma conversa. Um dos maiores problemas associados à perda auditiva em adultos é a perda da qualidade
de vida, e de uma vida socialmente ativa, uma vez que a perda de audição altera a capacidade de relacionamento com os outros, afeta progressivamente a memória, a orientação e a linguagem. No entanto, e perante todos estes fatores, as pessoas com perda auditiva procuram estratégias, ainda que a maioria das vezes de forma não intencional, para
continuar a ouvir, ou atribuem desculpas a fatores externos para ouvirem mal. Vários estudos demonstram que chegam a decorrer sete anos até que decidam procurar ajuda.

“apenas uma em cada 10 pessoas com perda auditiva está reabilitada e usa um aparelho auditivo

A inovação tecnológica é fundamental para ajudar quem sofre de perda auditiva. Como se posiciona a Amplifon no que respeita a esta questão?

O Grupo Amplifon, do qual a Minisom faz parte, possui um algoritmo patenteado, capaz de apoiar o envolvimento dos clientes através da análise das suas necessidades com a utilização de big data para aumentar os serviços personalizados disponibilizados, como é o caso da nova App, por exemplo. A Amplifon App permite às pessoas gerir os seus aparelhos auditivos a partir do seu smartphone e garante uma melhor experiência de audição graças ao controlo de volume e à capacidade de reduzir o efeito negativo do ruído e do vento. Os clientes também podem marcar diretamente consultas com o seu audiologista ou ter dicas que permitem uma melhor utilização dos aparelhos auditivos. Também o nosso protocolo de consulta tem sido ajustado, indo ao encontro das necessidades de cada cliente, e continuamente afinado com os conselhos da comunidade médica. Por fim, dispomos de centros auditivos inovadores,
dotados da última tecnologia em equipamento para realização de exames auditivos e reabilitação, com consultórios totalmente insonorizados.

A marca Minisom recebeu o prémio de Produto do Ano pela tecnologia Amply-energy. De que se trata e quais as mais-valias da mesma para os utilizadores?

A Ampli-energy é uma gama de aparelhos auditivos recarregáveis, que funciona com uma
bateria de íon-lítio, economizando centenas de pilhas. Em termos de inovação, os aparelhos
auditivos Ampli-energy oferecem até 24 horas de vida útil da bateria e têm um modo de carga rápida de 30 minutos. Graças ao Bluetooth integrado, permitem receber chamadas diretamente do smartphone ou conectar à televisão. Por último, a aplicação Amplifon e os seus tutoriais permitem uma gestão autónoma das configurações dos aparelhos auditivos, com a possibilidade de controlar o tempo de uso e orientar para uma utilização ótima dos dispositivos.

Quais os principais desafios que existem atualmente e aos quais a Amplifon procura dar resposta?

O ouvido precisa de ser estimulado e exercitado para se manter ativo. Se o estímulo desaparece, a perda auditiva aumenta. Os aparelhos auditivos mantêm estes estímulos ativos e melhoram a qualidade de vida dos seus utilizadores. É por isso que, na Minisom, oferecemos a consulta e os exames auditivos. Quando detetada perda auditiva, damos a possibilidade de efetuar uma experiência com aparelhos auditivos reais, personalizados, em
casa, no seu ambiente habitual, para que seja possível confirmar a diferença. Além disso,
acreditamos que é necessário trazer a consciência da importância da audição para as normais
preocupações de saúde. Por essa razão, temos também trabalhado com a comunidade médica no sentido de normalizar a perda auditiva, realizando campanhas centradas na prevenção e na realização do exame auditivo.

Quais as principais características que definem o mercado português?

O mercado português é bastante interessante e com inúmeras oportunidades. O estigma continua a ser uma barreira grande no nosso mercado e apenas uma em cada 10 pessoas com perda auditiva está reabilitada e usa um aparelho auditivo. Existe um grande trabalho a fazer para aumentar a penetração deste setor. A inovação tecnológica e a quebra de barreiras através de uma estratégia de comunicação assente em testemunhos reais têm sido grandes fatores de diferenciação. Por outro lado, é um mercado com bastante concorrência, por
isso é muito gratificante termos a marca com a maior notoriedade em Portugal – a Minisom – que é reconhecida há sete anos consecutivos como Marca de Confiança, há três como Escolha do Consumidor e, em 2022, como Top Employer.

Quais os objetivos a atingir, a curto/médio prazo no mercado nacional?

Os nossos objetivos são muito claros: queremos transformar a forma como o cuidado da saúde auditiva é percebido e vivido em Portugal, tornando-nos na escolha óbvia para as pessoas que procuram o melhor cuidado e conhecimento por parte dos nossos profissionais da audição. A Amplifon é líder mundial e Portugal continuará a ser um mercado que potencia essa liderança.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here