“A Educação é o caminho para a saída da crise”

A Universidade Europeia tem, na sua génese, uma forma de atuar que pretende preparar os alunos para o futuro laboral. Com um modelo de ensino que leva a aula para lá do espaço físico da sala onde é lecionada e uma aposta muito forte no desenvolvimento do pensamento crítico dos alunos, bem como no lado prático do ensino, a mais recente aposta é a Universidade Europeia Online, uma faculdade privada totalmente online, como explica a Prof. Doutora Hélia Gonçalves Pereira, reitora desta instituição.

0
325

Com a mudança que ocorre, presentemente, no mercado de trabalho, que análise faz da capacidade do Ensino de corresponder às novas necessidades de mercado?

As novas gerações de alunos no Ensino Superior pretendem dinâmica, diversidade, novas experiências e desafios. Por isso, as universidades mais capacitadas serão aquelas que consigam dotar os seus alunos de instrumentos e ferramentas de trabalho inovadoras, assentes em modelos teoricamente robustos, mas também próximos das empresas e das melhores práticas; modelos que permitam ajudar o estudante a ter pensamento crítico e um perfil hands on, orientado para soluções. Além de tudo isto, temos ainda o desafio da digitalização, que corta o modelo de ensino aprendizagem tradicional e que obriga as universidades a reconfigurarem-se.

Recentemente, anunciaram a chegada da vossa “faculdade online”. Como é que esta é uma aposta diferenciadora, no panorama educativo nacional?

Criámos a primeira faculdade privada 100% online. Apostámos numa proposta de valor diferenciadora através de um modelo personalizado e adaptado ao novo estudante, com um programa à sua medida, com conteúdos e timings customizados e com a presença de um tutor, que o acompanha ao longo de todo o ciclo de aprendizagem. Para além da internacionalização, este modelo de ensino favorece a aprendizagem ao longo da vida (lifelong learning com reskilling e upskilling) indo ao encontro de estudantes profissionais, adultos, com necessidades de formação específicas e permitindo conjugar, de forma mais flexível, vidas familiares com carreiras profissionais desafiantes. Contamos já com uma oferta formativa ampla, em termos de programas executivos, e mais de mil participantes, sendo o nosso objetivo continuar a crescer.

A Universidade Europeia é também muito ativa online, nomeadamente através da realização de webinares. Qual a importância destas ações para uma instituição como é uma universidade, que lida com a formação dos cidadãos?

Uma das missões fundamentais de qualquer instituição de Ensino Superior é a geração e transmissão de conhecimento. Todavia, esse conhecimento não deve ficar fechado na instituição. É nosso dever, enquanto produtores desse conhecimento, disseminá-lo, interagindo com o mercado nas suas mais diferentes vertentes. Temos um corpo docente diversificado, com diferentes níveis de especialização, o que tem permitido à instituição organizar conferências, seminários, workshops e webinares sobre as mais diferentes temáticas, de valor acrescentado para a academia e para a sociedade em geral, garantindo a ligação entre a universidade e o meio empresarial.

O que é importante ser feito, com vista à melhoria do sistema de Ensino Superior em Portugal?

Apostar cada vez mais na qualidade e excelência como máximas irrenunciáveis, mas também na inovação, preparando os estudantes para responder às necessidades de uma sociedade em constante transformação; manter uma relação estreita com as empresas e o mundo profissional, ajudando a desenvolver as soft skills necessárias para o mundo digital e que tornam os estudantes profissionais globais, com competências para alcançarem o sucesso em qualquer parte do mundo. É preciso colocar o foco na investigação, ter produção científica relevante, que se consubstancie como a evidência de que estamos num local de produção de conhecimento e apostar numa educação que favoreça o pensamento crítico.

No que respeita ao contexto pandémico em Portugal, e às suas consequências futuras, como lhe parece que o país possa vir a reagir?

Através do nosso modelo de ensino inovador – Experiencial Learning Hyflex – maximizamos a tecnologia presente nas aulas, proporcionando uma experiência de aprendizagem eminentemente prática, ativa e próxima da realidade profissional, com simulações, ligações em direto a oradores nos seus locais de trabalho, casos reais de empresas, entre outros. O que fizemos reflete o que o país tem que fazer: adaptar-se, ganhando competências e sendo mais competitivo. A educação é, não tenho qualquer dúvida, a ferramenta que levará Portugal a sair desta crise, melhor e mais forte.