“É necessário investir na saúde mental”

Sandra R. Santos é psicóloga clínica, especializada em parentalidade positiva e problemas como Depressão e ansiedade, temas que estiveram em destaque nesta entrevista, onde se falou também do impacto da crise económica e da pandemia na saúde mental da população.

0
561
Sandra R. Santos, psicóloga

Tendo em conta a sua experiência, na área da Psicologia, com adolescentes e adultos, quais os problemas de Saúde Mental com maior incidência?

Os problemas de maior incidência são as perturbações de humor, essencialmente a Depressão, e as perturbações da ansiedade, nomeadamente perturbações de pânico.

Quais os maiores desafios que pais e filhos enfrentam, sobretudo relacionados com a presença constante da tecnologia na vida dos adolescentes?

O maior desafio é a falta de consciência que todos temos relativamente ao alcance das tecnologias. Por vezes o limite entre o que é partilhável ou não é ténue. A linha que separa a utilização adequada e a utilização excessiva das tecnologias também. A comunicação passa a ser feita maioritariamente através de um ecrã e cada vez menos através de uma conversa cara a cara. Partilhamos cada vez menos dentro de casa e cada vez mais fora dela.

No que respeita à parentalidade positiva, que conselhos pode deixar para contribuir para uma relação mais profunda e saudável entre pais e filhos?

Um conselho básico é o estabelecimento de regras e limites claros, bem ajustados à idade dos filhos. Negociar estas regras e limites com eles, bem como as consequências em caso de transgressão, é importante para que se sintam responsáveis pelas suas ações. Não ceder em caso de insistência dos filhos também é importante, pois os filhos aprendem que, se insistirem, os pais acabarão por ceder e começam a utilizar isso como estratégia para conseguirem o que querem. Uma comunicação clara e direta, em que os filhos podem contar aos pais os seus problemas e preocupações sem serem julgados, é essencial. E isso não significa que não sejam repreendidos ou responsabilizados pelas suas ações, significa que os pais se mostram disponíveis para ouvir os filhos sem partirem logo para uma reação. Encontrar o equilíbrio é sempre a chave para qualquer relação.

Quais os grandes desafios que a pandemia e o teletrabalho, a necessidade de maior convivência familiar e a telescola trouxeram às mentes dos adultos e dos jovens?

Um dos desafios é a dificuldade em separar os vários contextos em que nos inserimos, uma vez que todos passaram a estar conjugados no mesmo local. Termos locais diferentes onde realizamos diferentes tarefas é saudável para conseguirmos organizar-nos mentalmente. Além disso, enquanto antes as famílias conviviam por um número reduzido de horas no mesmo espaço, com o confinamento isso deixou de se verificar, o que conduziu a um aumento da tensão, do stress familiar e conflitos.

Parece-lhe que esta é uma boa altura para que a saúde mental veja a sua importância reavaliada e reconhecida?

Sem dúvida! Ao longo dos últimos anos tem havido um reconhecimento do quão importante é a saúde mental, mas é necessário que este seja mais profundo. A pandemia veio demonstrar o quanto a nossa saúde mental influencia a nossa capacidade de lidar com situações adversas em momentos críticos. É necessário um investimento sério na área da saúde mental, aumentando o número de profissionais nos serviços de proximidade, permitindo à população aceder a estes serviços.

Que impacto terá este período na saúde mental dos portugueses?

É de esperar um aumento de sintomas psicopatológicos nos próximos meses e anos, não apenas decorrentes da situação atual de pandemia, mas também da crise económica. É comum surgirem mais casos de ansiedade, Depressão, suicídios… Situações de stress vividas de forma intensa podem desencadear surtos psicóticos.

www.sandrarsantos.pt

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here