SOFPRIME: vocacionada para o investimento

Ana Gomes é a diretora da SOFPRIME, uma agência imobiliária com um conhecimento alargado do mercado residencial e de investimento. A construção faz também parte dos serviços desta empresa, através de parcerias, e é nesta área que surgirão novidades brevemente.

0
343
Ana Gomes, diretora

Como caracteriza a SOFPRIME, tendo em conta o seu posicionamento no mercado?

A SOFPRIME atua no mercado da “necessidade”, entenda-se o mercado da primeira e segunda habitação, mas sobretudo no mercado de investimento, seja para arrendamento, seja de outra ordem. Apesar de estarmos localizados em Famalicão, a nossa atuação estende-se a todo o território nacional, sendo os distritos de Braga e Porto o nosso principal foco.

Quais os principais fatores que a diferenciam das restantes agências imobiliárias?

Quando surgiu a hipótese de aquisição da já existente SOFPRIME, foi decidido fazer diferente: diferente na atuação, diferente na abrangência de mercado, diferente na relação proprietário – imobiliária – comprador. Apostámos na relação de proximidade e acompanhamento constante entre todos os envolvidos, por forma a haver total transparência. Tendo em conta que um dos sócios é já um investidor e relatava dificuldade em aceder a produtos de investimento com rentabilidade, uma vez que a maior parte das imobiliárias não possui esse mesmo produto, a SOFPRIME focou-se em angariar produto adequado a investimento, quer seja residencial, terrenos, pavilhões, hotéis, quintas… Desta forma, estabelecemos acordos e parcerias adequadas, para que possamos ter em carteira o produto que o cliente investidor procura ou, em alternativa, saibamos onde o ir procurar.

Como definiria o mercado em que atuam e a forma como acompanham os clientes durante o processo de aquisição de imóvel?

A proximidade é o fator diferencial, seja cliente de mercado da “necessidade”, seja cliente investidor, nacional ou internacional. No caso do cliente da “necessidade”, assim que se estabelece o contacto e é feita a caracterização do cliente, seja em capacidade financeira, necessidade de tipologia e localização, o mesmo é acompanhado até que se encontre o imóvel adequado, mesmo que tenhamos de recorrer a parcerias. Quando o cliente é investidor, após a captação de todas as informações pertinentes, é feito o acompanhamento de forma a que o mesmo consiga adquirir o melhor produto, com a melhor rentabilidade, de acordo com o seu perfil, sendo, em alguns casos, aconselhado a optar por outro produto, com outra localização ou outras tipologias, em função das expectativas desejadas.

Tendo em conta as novas tendências verificadas no mercado imobiliário de algumas regiões, como a procura por moradias ou imóveis com espaço exterior privado – terraço ou varanda – e mesmo a deslocalização da procura – do centro da cidade para a periferia ou para o interior, como reagiu?

A pandemia veio alterar rotinas e mentalidades nas famílias, sobretudo em famílias com filhos. O teletrabalho revolucionou completamente a forma de se encarar o dia a dia. Iniciou-se uma procura incessante por uma maior qualidade de vida, sendo que estar em casa tem, obrigatoriamente, que significar lazer, trabalho, diversão, espaço e intimidade… o que antes da Covid-19 era um espaço apenas para a família, atualmente é um espaço aberto, uma vez que pais e filhos estão ligados ao mundo digital. É essencial a mudança e daí a procura por imóveis que ofereçam espaços bem definidos, escritório para pais e filhos, bem como espaços ao ar livre. Famalicão tornou-se uma cidade de excelência devido à sua centralidade. É mais barato viver em Famalicão do que no Porto, Maia, Matosinhos, Braga ou Vila do Conde e estamos a escassos 20/30 minutos de qualquer um destes destinos. Com a crescente procura por moradias em Famalicão e Guimarães, tivemos necessidade de procurar parceiros capazes de investir na construção de moradias independentes em ambas as cidades. Já possuímos os terrenos para a construção e haverá notícias brevemente.

A troca de casa ou a compra do primeiro imóvel implica normalmente um investimento baseado num crédito bancário. Com a pandemia e o confinamento, como reagiram as vendas de imóveis – e as concessões de crédito? Continuou a ser possível trabalhar?

Até à data, os bancos têm sido cooperantes e da nossa parte não sentimos, ainda, alterações pertinentes.

Outra das áreas em que Portugal crescia, antes da pandemia, era o investimento no setor imobiliário. Esta também é uma das áreas em que aposta?

Esta é a área fulcral da SOFPRIME! Trabalhamos o investimento nacional, através de pequenos e grandes investidores, bem como o investimento estrangeiro, que está mais ativo do que nunca, não apenas nos vistos Gold, como empresas que pretendem investir em imobiliário no nosso país, sobretudo no Norte. A SOFPRIME gere um site (www.elite-advisors.pt), onde se entra por convite que tem disponíveis os nossos imóveis premium, para investimento. A SOFPRIME tem parceiros através dos quais nos chegam os pedidos, sejam escritórios de advogados e/ou parcerias, nomeadamente com captadores de investimento nas mais variadas áreas de negócio, desde residencial, residências de estudantes, hotelaria, construção, entre outros… Estamos fortemente vocacionados para esta opção de mercado e com tentáculos de vasta abrangência.

Tendo em conta o mercado em que atuam, quais as principais apostas de investimento que se apresentam disponíveis?

Temos listas fechadas, que apenas podemos divulgar mediante capacitação do investidor. Para além desse mercado, possuímos vários imóveis nos distritos do Porto e Faro com alta rentabilidade. Tal como já havia mencionado, o investidor apenas necessita de fazer o primeiro contacto e certamente teremos soluções para lhe apresentar, sendo de salientar que temos uma carteira apelativa de terrenos para construção, o que nos coloca como um parceiro capaz junto de grandes empresas de construção.

Avaliando o comportamento de ambos os mercados – imobiliário e de investimento – como vê a recuperação das atividades económicas que deles fazem parte?

Obviamente terá de haver alguns acertos no mercado, mas não esperem grandes descidas dos preços, sobretudo nos imóveis mais recentes. Com a deslocalização das famílias, há cidades como Famalicão e Guimarães que poderão ter acertos para cima na gama média alta. Os investidores estrangeiros irão fazer disparar os preços das gamas mais altas, pois aí se centra a procura e o produto que pretendem construir.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here