Tecnologia que dinamiza os negócios

A ARMIS é uma empresa dedicada à inovação tecnológica e engenharia de software, focada no desenvolvimento e na implementação de soluções ambiciosas que resolvem desafios complexos. Fundada em 2005 por Carlos Costa, Chairman do Grupo e Nuno Antunes, CEO, conta com escritórios no Porto, Lisboa, São Paulo e Utrecht e tem vindo a desenvolver serviços de Tecnologias de Informação personalizados a cada cliente, em todo o mundo, ao longo dos seus 16 anos de história, nas áreas de Transportes, Desporto, Banca, Saúde, Telecomunicações e Administração Pública.

0
521
Nuno Antunes, CEO

Como caracteriza a ARMIS e a sua evolução, considerando as diferentes necessidades que foram surgindo no mercado?

A Armis é uma empresa de Engenharia de Software, que construiu um caminho sólido ao longo dos anos. Fomos crescendo sempre de uma forma sustentada e equilibrada. Sabemos que a certa altura podíamos até ter crescido de forma ainda mais rápida, mas exemplos como os que aconteceram agora com a pandemia fazem-nos acreditar que estávamos certos. A nossa aposta na diversidade tecnológica, áreas de negócio, em equipas destemidas empenhadas e em diferentes geografias também nos tem ajudado a manter o ritmo de crescimento, mesmo em momentos de crises económicas ou sociais.

Quais as soluções que destacaria, em particular, em cada área que estão presentes?

Na área de IT destacaria a área de cibersegurança, área essa em que nos dois últimos anos fomos premiados pela Microsoft como Parceiro do Ano. Já em relação à nossa área de Intelligent Transport Systems, destaco os nossos produtos para as autoestradas e cidades, bem como os serviços de consultadoria que têm uma reputação muito forte não só em Portugal, mas também a nível internacional, onde trabalhamos com a Comissão Europeia e o continente asiático. Na Armis DS relevamos o trabalho que temos desenvolvido junto da Federação Portuguesa de Futebol e mais recentemente o projeto com a CONCACAF nos EUA. Na Armis Financial Technology é onde trabalhámos e continuamos a trabalhar com uma grande panóplia de clientes a nível nacional, como é o caso da CGD, EuroBic, Unicre e também a nível internacional, com organizações financeiras como Banco do Egipto, BTG e Euronext.

Como foi ultrapassar a questão da pandemia, sobretudo tendo de garantir que todo o trabalho era efetivamente levado a cabo?

Ao nível operacional foi bastante fácil, uma vez que já há bastante tempo que estávamos habituados a trabalhar de forma remota e num ambiente híbrido. O mais difícil foi habituarmo-nos a não estar de forma regular uns com os outros e a ter que realizar momentos de convívio e descontração de forma totalmente digital. Na Armis temos um espírito de equipa bastante forte, que vai muito para além do ambiente profissional.

A pandemia foi, precisamente, o período no qual as empresas mais tomaram consciência da necessidade de se adaptarem e evoluírem digitalmente. Existiu, de facto, da parte dos clientes, um interesse particular nessa evolução?

Eu costumo dizer que o ano de 2020 foi o melhor ano para a Armis apesar da pandemia e não por causa da pandemia da Covid-19. Mesmo antes da pandemia, nós enquanto Armis, já sentíamos necessidade de criar soluções que tornassem o nosso trabalho ainda mais automatizado e colaborativo. Com a chegada da “avalanche” que foi a Covid-19, sentimos que era a altura de criar ferramentas que ajudassem as empresas a adaptarem-se ao “novo normal” e criámos uma plataforma inteligente que permite a organização dos espaços de trabalho, nomeadamente na alocação das pessoas e dos materiais, respeitando os distanciamentos e as práticas recomendadas. Para além disto, podemos dizer que no início da pandemia houve realmente uma preocupação grande de muitas empresas que não estavam preparadas para o teletrabalho e isso gerou alguns projetos pontuais, mas considero que se vai realmente sentir uma aceleração da transformação digital a partir do segundo semestre de 2021 e nos próximos dois anos de 22/23.

Relativamente à internacionalização, investiram na expansão para o Benelux, bem como para a América Latina. Existia uma necessidade evidente de crescimento?

Nós sempre tivemos a noção que o crescimento das empresas que se restringem apenas a Portugal é limitado. A nossa aposta a nível internacional já vem de há vários anos. Há oito anos criámos a Armis Brasil e esta expansão para o Benelux surgiu por três principais motivos: achamos que se queremos atingir a dimensão a que nos propomos só o iremos conseguir se tivermos dimensão internacional; não queremos que a nossa atividade dependa apenas de um país; sempre tivemos a ambição de ser uma empresa global.

Quais os planos de crescimento futuros da ARMIS?

Estamos sempre à procura de novas ideias e da possibilidade de entrar em novos mercados. Neste momento estamos a criar uma nova área de Sistemas de Suporte à Decisão e que é, definitivamente, uma consequência do trabalho que temos desenvolvido ao longo dos anos na área dos dados, da Inteligência Artificial, da simulação e de sistemas preditivos. Relativamente à continuação da expansão internacional da Armis é, sem dúvida, uma meta para o futuro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here