“A automação tem de ser simples e intuitiva”

A KUKA aposta na automação para simplificar as tarefas industriais e a cada vez maior interação entre o homem e o robô moldará o futuro das empresas. Facilitar o acesso à robótica e assegurar que todos – desde as pequenas empresas até às grandes multinacionais – usufruem das suas vantagens é o objetivo cimeiro desta empresa, pioneira na automação industrial, como salienta Sérgio Chora, country manager em Portugal.

0
301

Como se propõe a KUKA ajudar a que a automação seja, verdadeiramente, “para todos”, tendo em consideração empresas multinacionais, nacionais e PME’s?

A automação está a generalizar-se e a abrir caminho para cada vez mais áreas e setores. Facilitar o acesso à robótica: esse é o objetivo ambicioso da KUKA e é aí que está a chave: o manuseio simples e intuitivo de soluções de automação, que até agora estavam reservadas para especialistas. Para isso, a KUKA, dentro da estratégia 2030, apresenta os primeiros elementos de um sistema operacional do futuro: iiQKA. Este não se centra no robô em si mesmo, mas na sua aplicabilidade e utilização. Este desenvolvimento já é evidente nos projetos atuais do Grupo KUKA, que incluem grandes encomendas dos setores relacionados com a mobilidade elétrica, bem como o aumento do portfolio, com novos robôs, como o KR SCARA, para montagem de pequenas peças, manuseio de materiais e tarefas de teste.

Como caracteriza o iiQKA e quais a suas aplicações?

O iiQKA é uma combinação do novo sistema operativo do robô e o ecossistema criado pela KUKA, projetado para tornar a experiência do utilizador o mais intuitiva, poderosa, rápida e escalável possível, permitindo que mais pessoas, empresas e mercados acedam aos enormes benefícios de automação robótica. Começará com o novo LBR iisy cobot da KUKA, no pacote de pré-lançamento do iiQKA, com o suporte dos principais parceiros do ecossistema, e aumentará, com o tempo, para incluir mais funcionalidades, aplicativos e um ecossistema diversificado capaz de utilizar todos os robôs do portfolio KUKA. Esta é uma mudança de paradigma geracional na qual a KUKA embarcou, tornando possível, a quem recentemente chegou ao mundo da robótica, alcançar os seus objetivos de automatização, enquanto, simultaneamente, torna o processo mais rápido e eficiente para aqueles que já são especialistas. Os desafios impostos por mudanças drásticas no cenário de produção exigem novos conceitos. Como um player global em soluções de automação, a KUKA tem a resposta: o novo sistema operacional iiQKA.OS, combinado com o ecossistema iiQKA. O iiQKA.OS permite um desenvolvimento e expansão rápidos e intuitivos, para responder aos requisitos do mercado, bem como uma operação intuitiva e confiável – fundamental para fornecedores e utilizadores. Com o ecossistema iiQKA, a KUKA pretende impulsionar a democratização da robótica. O iiQKA.OS e o seu ecossistema de suporte iiQKA são projetados para tornar toda a jornada do cliente o mais simples, eficiente e intuitiva possível – desde a compra e instalação, passando pela programação e operação, e ainda uma reutilização rápida, em novas aplicações. Construído na plataforma iiQKA.OS, o ecossistema iiQKA é a chave para facilitar a automação e abri-la a muitos outros utilizadores. Todavia, o verdadeiro poder do ecossistema iiQKA vem do seu conteúdo – componentes fáceis de usar e implementar, como garras, sensores de segurança e sistemas de visão, até software para soluções de automação. Assim, o ecossistema iiQKA permite a automação industrial inteligente num ambiente confiável.

A KUKA tem robôs capazes de classificar cerca de três mil amostras de sangue por dia. Qual a influência destes equipamentos durante esta fase pandémica?

O hospital universitário da cidade dinamarquesa de Aalborg usa um sistema que consiste em robôs de laboratório e uma caixa de transporte inteligente para controlar e classificar automaticamente as amostras de sangue. Os aplicativos Pick & Place desse tipo reduzem a carga de trabalho da equipa hospitalar, permitindo-lhe ter tempo para realizar tarefas mais importantes. O robô KUKA da família AGILUS garante a robustez e a flexibilidade que o processo exige, adaptando-se ao ambiente, através de IP e níveis mínimos de manutenção para as operações diárias. O robô de automação de laboratório ejeta automaticamente as amostras de sangue que foram transportadas indevidamente. A pandemia de coronavírus mudou as cadeias de abastecimento, os fluxos de trabalho e os processos de produção. São as novas tecnologias que estão a ajudar a indústria a adaptar-se a esta mudança, de forma sustentável.

Recentemente, a KUKA desenvolveu novos robôs capazes de soldar de forma eficiente e que podem ser utilizados numa indústria tão exigente como a automóvel. Quais as mais-valias destes equipamentos para a indústria onde são aplicados?

Oferecemos soluções de automação flexíveis e eficientes para quase todas as tarefas de soldadura na indústria automóvel. Temos conhecimento especializado em todas as áreas de soldadura: Soldadura ponto, a laser, de revestimento, por fricção, por fricção rotativa, híbrida, magnetarc, de costura de rolo, com gás de proteção… No nosso caso, podemos oferecer o robô para soldadura e também o software, soluções compactas prontas para uso.

A KUKA venceu recentemente o Red Dot Design Concept Award. Quão import ante é este tipo de reconhecimento para a empresa e os seus colaboradores?

Digitalizar trabalhos de forma sustentável: este é o objetivo do estudo conceptual “KUKA NOX”, que a KUKA Corporate Research desenvolveu em conjunto com um estudante suíço de design. O robô de construção móvel ajuda a medir e desenhar em obra, tornando todas as informações importantes acessíveis exatamente onde são necessárias. O estudo conceptual foi premiado com o Red Dot Design Concept Award 2021, na categoria “Best-of-the-Best”. Desde 2005, o Red Dot: Prémio de Conceito de Design reconheceu a necessidade de descobrir e premiar novos conceitos e inovações de design, abrindo caminho para os desafios de design de hoje e para os produtos diferenciadores, no futuro.

Que análise faz do ano 2021? Foi um ano positivo para a KUKA?

A KUKA apresentou resultados muito positivos nos primeiros nove meses de 2021, de acordo com uma nota de imprensa publicada em outubro. Os pedidos aumentaram 35,3% e as vendas subiram 26,8%. A KUKA beneficiou do grande crescimento dos veículos elétricos na América do Norte e conquistou novos mercados, nomeadamente no que respeita ao comércio eletrónico e bens de consumo. De acordo com o CEO da KUKA, Peter Mohnen, a robótica, a digitalização e a automação tornaram-se indispensáveis na indústria, seja nas grandes, pequenas ou médias empresas.

Considerando as perspetivas de retoma económica para o país, como antecipa o próximo ano?

As megatendências, como a digitalização, a individualização de produtos, mudanças demográficas e a crescente regionalização, devido às incertezas globais: tudo isso exige soluções cada vez mais flexíveis e, ao mesmo tempo, mais eficientes para o ambiente de produção. O CEO da KUKA, Peter Mohnen, diz que “o mundo está a mudar e a pandemia acelerou essa transformação. Os nossos clientes são o centro de todas as nossas atividades e exigem uma automação flexível e tecnologias fáceis de usar, sobretudo quando falamos de mercados pouco tecnológicos, até ao momento. E é para encontrar estas soluções específicas que a KUKA trabalha. Portanto, temos uma perspetiva positiva para o futuro”.