Comprar português dinamiza a economia

A Move4Portugal foi criada em 2020, para dinamizar a economia nacional, particularmente os produtos portugueses. Carla Carolino preside a esta associação, cujas ações passam por ajudar os produtores na logística, transporte e venda da respetiva produção.

0
548
Carla Carolino, Presidente

O que vos levou a criar esta associação?

A Associação nasceu no dia 15 de julho de 2020, na sequência de termos começado, informalmente, um grupo de Facebook, cujo objetivo era encontrar formas de ajudar a desenvolver o negócio dos produtores nacionais – nomeadamente produtores de agrícolas e de serviços que trabalham de uma forma muito tradicional e que não têm acesso ao Facebook ou a plataformas de videoconferência. Percebemos, localmente, quais eram as necessidades e as dificuldades e notámos que, sobretudo para os produtores de hortícolas, o problema era a venda do produto, dado que a pandemia obrigara ao fecho dos mercados municipais. Assim, criámos a Associação Move4Portugal para nos estruturarmos de forma perene e podermos alojar, desenvolver e levar mais longe o que se produz em Portugal. O nosso objetivo é que as pessoas comprem português, dinamizando assim a economia nacional. No final de setembro, abrimos uma loja online onde os produtores podem colocar os seus produtos à venda. Funciona como uma “montra” para estes produtos nacionais.

Quais foram os primeiros problemas, para além do escoamento dos produtos, que identificaram?

A seguir à componente de divulgação, o nosso maior investimento passou por proporcionar transportes a preços competitivos, porque esse é um dos principais entraves à concretização dos negócios dos pequenos produtores. O custo que conseguimos contratualizar para transporte de temperatura controlada, por exemplo, foi muito interessante e competitivo, o que permite a muitos produtores – de fruta, por exemplo – fechar negócios. Já cobrimos a União Europeia, Suíça e Reino Unido. Já fizemos transportes para a Austrália e até para Porto Rico.

Como se posicionam no mercado?

Diria que, diariamente ajudamos a simplificar e a descomplicar, respondemos a necessidades que aparecem, sejam elas técnicas ou uma simples explicação de algo – temos um princípio de entreajuda muito grande. Queremos que todos cresçam, não colocamos entraves. Eles sabem que estamos aqui e partilham informação para ajudar outros.

Quais são os desafios para o futuro? O que falta ainda fazer e desenvolver neste projeto?

Temos de consolidar e potenciar as parcerias que já fomos estabelecendo e que nos podem ajudar a alavancar este projeto. Apesar de sermos uma associação, temos uma forma de estar muito semelhante a uma startup, pelo que precisamos de ter margem monetária para crescer. O nosso objetivo é não cobrar uma grande quota aos nossos associados, queremos assegurar-lhes serviços e dar-lhes a garantia de que realmente podem contar connosco e dispor de serviços úteis. Depois, temos de nos dar a conhecer. A penetração no mercado ainda acontece muito via redes sociais e não estamos a conseguir chegar com facilidade aos clientes finais, os clientes dos nossos associados. Além disso, também queremos levar a cabo algumas ações de formação para os associados, sobretudo sobre princípios básicos de posicionamento no mercado e de apresentação dos produtos.

http://www.compreportugues.pt

https://move4portugal.company.site/

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here