Reinventar a Engenharia

Com o mote “engenharia para além da técnica”, o Grupo FUTURE pretende reinventar o negócio da engenharia. Nesse sentido, a empresa encara o seu papel como o motor de desenvolvimento dos investimentos dos clientes, assegurando o domínio de todo o processo. João Andrade, engenheiro e Chairman do Grupo FUTURE, sublinha a importância da engenharia ir “muito para além dos aspetos técnicos”.

0
138

O conceito do Grupo FUTURE de “engenharia para além da técnica” é muito particular. Como se destaca nos vossos projetos?

Nós entendemos que a engenharia tem de ir muito para além dos aspetos técnicos. O papel das empresas de consultoria de engenharia tem de ser mais importante do que aquele que lhe tem sido atribuído nas últimas duas décadas. Temos de estar na raiz dos processos de investimento. O contributo das empresas de consultoria de engenharia para o desenvolvimento dos países é fundamental, mas para que possamos contribuir de forma ajustada àquilo que é a nossa função temos de desempenhar um papel mais abrangente. No Grupo FUTURE, grande parte do nosso volume de negócios vem deste posicionamento. Nós estamos no processo desde a ideia inicial até à solução final, integrando igualmente soluções financeiras para viabilizar a construção das infraestruturas. Neste aspeto, somos pioneiros e este é o principal conceito diferenciador do FUTURE.

A Agência de Investimento e Desenvolvimento concentra este conceito. Qual é a importância deste projeto?

Para idealizar o nosso conceito, tínhamos de agregar competências complementares às competências técnicas. A agência trata as oportunidades numa ótica de estruturação financeira, dialogando com investidores privados, entidades financiadoras, governos, etc., sempre com o objetivo de viabilizar os investimentos. É, assim, uma agência cada vez mais reconhecida pelos governos dos países onde estamos e, portanto, tem um papel extremamente importante na materialização do nosso conceito.

Cada vez mais existe uma união entre a tecnologia, infraestruturas e edifícios. Como se posiciona o Grupo FUTURE perante esta questão?

Um dos nossos três pilares estratégicos é a integração das tecnologias de informação na engenharia clássica. Para o efeito, adquirimos uma das maiores tecnológicas portuguesas, a Compta, justamente para criarmos aquilo que será a empresa de engenharia do futuro. No final desta década, as empresas de engenharia, conforme as conhecemos atualmente, não vão existir mais. Temos assistido muito à digitalização de processos. O FUTURE vai muito mais longe. O que estamos a fazer é a transmutação do setor. Todos os nossos edifícios e infraestruturas têm inteligência artificial incorporada para que a sua gestão seja mais eficaz e sustentável.

Que desafios tecnológicos prevê que possam surgir no futuro?

Os desafios passam por aproveitarmos todas as novas tecnologias em prol das pessoas, buscando conforto, saúde, maior felicidade e desenvolvimento humano, assegurando também uma relação maior, mais equilibrada e saudável com a Mãe Natureza. Temos como slogan na nossa área das tecnologias de informação “Digital for People”, porque acreditamos que as tecnologias de informação, em complemento aos nossos hábitos, são fundamentais para um mundo mais sustentável.

Como olha esta engenharia virada para o futuro para a crise económica que temos vindo a enfrentar?

Portugal está numa crise contínua há séculos. Somos um país em crise porque somos um país mal pensado. No Projeto FUTURE, sabemos o que queremos ser e estamos a trabalhar para isso. Não existe um “Projeto Portugal” e nem os cidadãos sabem o que querem que Portugal seja daqui a 20 anos. Os momentos de crise são momentos de oportunidade, na medida em que se proporcionam a tomadas de consciência, pelo que esta pandemia acaba por ser uma oportunidade para evoluirmos. Uma evolução assente nas competências inatas da nossa gente, bem expressas no valor da nossa Engenharia e das Tecnologias de Informação.

Que novidades estão reservadas para o futuro do Grupo FUTURE?

Estamos muito próximos de concretizar algo que faz parte do projeto FUTURE: a capacidade de entregar chave na mão, com competências próprias. O FUTURE está a preparar-se para assegurar todo o processo, garantindo ainda ao cliente investidor o retorno financeiro pretendido. Ao juntarmos aos braços da Engenharia consultiva e TI, o braço da execução, o Grupo FUTURE afirma-se como único a nível mundial em tal oferta de valor. Uma outra novidade é o nosso reforço num dado setor estratégico para nós, com a integração de duas empresas de nicho, uma portuguesa e outra internacional.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here